Memória

68 Anos no Ar!

 

Por Heli Simões - Ex proprietário e Diretor de Jornalismo 


Como todas as coisas, também a RADIO BEBEDOURO tem a sua história, uma história simples, mas, com passagens interessantes que merecem ser rememoradas. Como muitas cidades deste interior brasileiro, BEBEDOURO possuia sua praça central que se chama Monsenhor Aristides, onde o afluxo de sua gente, principalmente da moçada, mais se acentuava nas horas de lazer, para a tradici¬onal “footing", para apreciar a saída do pessoal da missa, do cinema. Um serviço de alto falantes que divulgava mensagens comerciais, noticias e a música para a distração do povo que transitava de um ponto a outro, ou que se sentava comodamente em um banco do jardim depois de uma disputa acirrada pelo lugar. O "SAB"- SERVICOS DE ALTO FALANTES BEBEDOURO iniciava seus serviços as 18 horas e encerrava seu expediente as 22h.

 

Muitos anos funcionou; muitos anos serviu a cidade. A noticia divulgada pelo Serviço de Alto Falante caminhava célere depois, correndo de boca em boca. CLODOALDO JOAO LUIZ DE MARTIN veio para Bebedouro e comprou o serviço de alto falantes que funcionava. Era de propriedade de um dentista, Be¬nedito Lima Mafra que, pretendendo transferir-se para a Capital do Estado, vendeu o seu patrimônio. CLODOALDO veio para Bebedouro já com a idéia de expandir o negócio, com a instalação de uma emissora de rádio A.M. onda média.

 

Contactou várias pessoas e acabou por resolver o assunto, em Assembléia geral extraordinária a 22 de agosto de 1.945, fundando assim a empresa RÁDIO BEBEDOURO SO¬CIEDADE ANÔNIMA com a finalidade de explorar a radiodifusão em Bebe¬douro.

 

CLODOALDO JOAO LUIZ DE MARTIN foi pessoalmente ao Rio de Janei¬ro, então capital da Republica, falar com o presidente Getúlio Vargas, a quem pediu que concedesse a Bebedouro um canal de radio em onda media. O presidente gostou da visita, simpatizou-se com Clodoaldo e garantiu que, depois do pedido formulado ao Ministério das Comunicações, o prefixo seria con¬cedido. Enquanto aguardava a concessão,

 

0 estúdio era preparado; o equipamento era adquirido e uma campanha do disco para a discoteca era feito nos estabele¬cimentos comerciais, bancários, escolas e demais. pelo próprio Clodoaldo, com um livro de ouro. Os discos eram de cêra de carnaúba, de 78 (setenta e oito) rotações por minuto. É preciso que se diga que o Clodoaldo João Luiz de Martin, contou com o pioneirismo do Cel. Raul Furquim, de Luiz Martins Araújo, Victor Rachel Toller, Aldo D´Arbo, e mais umas três dezenas de pessoas que formaram a sociedade, todos embuídos daquele desejo de ver Bebedouro com a sua estação de Rádio, pois naquela epoca havia uma ou duas em Ribeirão Preto, uma em Jaboticabal, uma em Barretos uma em São José do Rio Preto. o entusiasmo era tão grande que o téecnico eletrônico Sylvio Lainetti daqui de Bebedouro, prontificou-se a fazer e fez tanto o transmissor de 100 wats como a mesa de som, necessários para o funcionamento da "poderosa" emissora de 100 wats que cobria um raio de pouco mais de 20 quilometros. o prédio nº 395 da Rua Oscar Werneck, Edificio Zacarelli, hoje de propriedade da Associação Comercial, Industrial e Agrícola de Bebedouro, onde tem sua sede, foi escolhido para a Instalação dos estúdios. Na ocasião eram apenas duas salas; uma para o escritório e uma para o estúdio de locução e técnica. Quando chegou Junho de 1946. veio um comunicado do Ministério das Co- municações para a emissora entrar no ar, durante dez dias, às 4 horas da manhã e durante apenas duas horas, ate as 06 horas, para que a parte técnica do Ministério aferisse se a emissora estava funcionando na frequencia certa, de 1.580 klz que seria concedido a ela.

 

Clodoaldo convidou Hely Simões a tomar parte com ele nesse período de funcionamento da emissora e o orientou como falar e o que deveria apenas falar no intervalo de cada música que fosse tocada: "Esta e a Radio Bebedouro Soci¬edade Anônima, de Bebedouro no Estado de São Paulo, transmitindo em cará¬ter experimental na frequência de 1.580 khz". Hely Simões tornou-se o primeiro locutor da emissora e continuou com ela. N o dia 10 de agosto de 1.946, dado o sinal aprovado pelo Ministério das Comu¬nicações, a Radio Bebedouro começou então a funcionar definitivamente. Foi uma glória para Bebedouro. No mesmo prédio em que foi instalada a Rádio Bebedouro, funcionava no salão principal e demais dependências, o EXCELSIOR CLUBE - clube da moci¬dade de cor da cidade.

 

Ali, outrora, fora sede do NOSSO CLUBE, hoje BEBEDOURO CLUBE que tem sua sede no prédio de esquina da praça Monsenhor Aristides, onde era o Instituto Santa Terezinha ( Hospital). Os transmissores da rádio como também as suas torres foram instaladas em uma área de 10 mil metros quadrados, doados pelo Cel. Raul Furquim para a finalidade. Esse terreno fica situado d Rua Esperanto, hoje Parque Residencial Furquim. Passado algum tempo, devido as dificuldades financeiras, o Excelsior Clube. do saudoso Zé Lino, entrou em negociação com a direção da Radio Bebe¬douro e. esta acabou por ficar com todas as dependências daquele clube, insta¬lando-se lá a Radio Bebedouro, com auditório e estúdio bem espaçosos. Ali foram levados ao ar. Aos domingos era infalível, os programa Infantil G-6 e DOMINGUEIRA ALEGRE não podiam faltar. E assim a Radio Bebedouro funcionou naquele local ate 1952, quando os titulares do maior número de ações da sociedade venderam essas ações ao deputado federal Dr. Miguel Leuzzi e sua mulher dona Lina Giorgi Leuzzi, já possuidores de várias emissoras no interior do Estado e a principal da rede, em São Paulo. Era o Radio Piratininga, ex-Cruzeiro do Sul. Dr. Miguel Leuzzi aceitou uma oferta dos padres franciscanos da Paróquia de São João Batista e alugaram o prédio Cine São Francisco de propriedade da Paróquia e transferiu a Rádio para lá. Foi um tempo memorável. Possuia o prédio também auditório completo e muitos programas de auditório, ali foram realizados não somente aos domingos pela manha, como também as quintas-feiras à noite. O prédio já não era novo e, depois de uma semana de chuvas torrenciais na cidade o prédio passou a oferecer perigo. Paredes rachadas, forro ameaçan¬do ruir. obrigou a direção da emissora procurar um outro local na cidade e encontrou em reforma o prédio nº 257 da Rua Francisco Inácio, propriedade do Senhor Igino Zuchi. Tudo foi mudado para esse prédio e onde ela permane¬ce até esta data. Posteriormente, com a mudança de Prefixo, de ZYG-6 para ZYE. 204 e finalmente para ZYK. 561 e aumento de potência para 1.000 wats pleiteou-se a mudança de frequência. O Ministério das Comunicações aceitou e a Rádio Bebedouro passou a operar nos 690 Khz facilitando aos 1.000 wats uma maior penetração toda região. A emissora foi dirigida pela Rede Piratininga de Emissoras ate 1967 quando teve que se desfazer de algumas emissoras em cumprimento d Lei ditado pelo Governo da Revolução, ocasião que Hely Simões e a sua mulher, professora EUNICE COLOMBIA SOTTERO SIMÕES, tiveram a oportunidade de ad¬quirir a totalidade das ações de posse da Piratininga. Eles permanecem com ela até a presente data. Rádio de cidade relativamente pequena mais sempre procurou fazer um rádio a exemplo no que e feito na Capital: bons programas de música. boas entrevistas, bons jornais falados, boa equipe de esportes, boas reportagens externas de vários eventos e, sobretudo com muita seriedade para com ouvinte. A emissora teve o privilégio de exportar vários profissionais que hoje desfrutam de muita estima e fama no radio brasileiro. Destacamos: Wanderlei Ribeiro narrador esportivo da Rede GIobo de Rádio; Paulo Sérgio Beringhs, noticiarista âncora da TV Serra Dourada, de Goiânia-¬GO; Paulinho Boa Pessoa animador de programas da Rádio Record de São Paulo e outros que atuaram na emissora e foram queridos pelos ouvintes, como Tobias Ferreira Gomes, de saudosa memória, Luiz Roberto dos Santos, narrador espor¬tivo da RB e animador de programas, Roberto Oliveira, animador de programas e comentarista esportivo, Diva Torres, Luis Sgarbi, Auriluce Bréglio, Aurora Rocha, J.Mattos, Tio Juca, Arnaldo De Rosis Garrido, Paulo Costa, “Corone" Silvio Gagliardi, Paulo Biancardi repórter Walquiria Scandaroli e Sandra Reis, Renato Oliveira, Antonio Gambone, Walter Antonio Gomes que começou na RB e esteve no rádio em Araraquara, em SaD Paulo, em Olímpia, em Monte Azul e retornou a RB novamente. Este historiador sempre foi um locutor preferido nao somente nos programas que apresentava como na interpretação da mensagem comercial. Até esta data, próximo aos 60 anos de presença diante do microfone, e reconhecido nos rádios da cidade e da região como uma voz amiga, sempre presente.

 

A Radio Bebedouro tem sido um fator de progresso para Bebedouro. Em todos os setores de atividades da cidade, a RB sempre participou, noticiando, comentando, in¬centivando, enfim, acompanhando o nascimento e a vida das entidades, guarda¬das as devidas proporções, foi uma emissora de primeira grandeza durante esses anos todos, é uma emissora velha, de idéias sempre novas.

 
Twitter xx Facebook Orkut Home Memória Diretoria Programação Eventos Locutores Vale a pena ouvir denovo Ouça a RB Fale conosco Home Administrador Fale conosco E-mail Adicionar ao favoritos Home Diretoria Locutores Equipe Programação Eventos Memória